segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Tudo legal e sem espinhas...

E lá vamos nós rumo ao título. Sem ópera a tempo inteiro, mas com golos incríveis. O Dragão tem visto muitos e bons golos e ontem foi apenas mais do mesmo. Os "exigentes" não tiveram hipóteses para actuar e tiveram de deixar o assobio no... bolso. Embora já estivessem prontinhos para, ao intervalo, manifestar a sua "revolta" pelo previsível nulo. Mas resolvemos o jogo num ápice, já em cima do intervalo depois de termos feito muito por marcar bem antes.

A equipa voltou a ter Fucile à esquerda, Otamendi no meio e Falcao e Varela na frente. Com o colombiano a musica é logo outra e a equipa cresce e muito! Combina bem com Hulk e Varela e não se notam egoísmos nem ânsias de protagonismo. O objectivo é só um: "honrar o compromisso com a vitória", como diz o Mister.

A Naval entrou disposta a enervar o Porto, com constantes perdas de tempo logo desde início. O Porto entrou para resolver cedo, mas com aquele espírito que mais cedo ou mais tarde iria resolver, o que acabou por acontecer. Desperdiçamos oportunidades claras por Falcao e Varela e num ou outro contra-ataque a Naval ainda ameaçou Helton. Mas perto do intervalo, Fucile foi rápido (o apanha-bolas também) a lançar Varela pela esquerda, este livrou-se de um adversário de forma brilhante e ofereceu a Falcao um golo fácil. Logo depois veio a ópera... uma jogada ao primeiro toque, qual tic-tac, com 4 jogadores a brilharem. Varela para Belluschi; Belluschi para Falcao; Falcao para Belluschi; Belluschi para Hulk e golo! Bonito de se ver! Estava resolvido.

Para a segunda parte, com o jogo resolvido perdeu-se um pouco de intensidade mas dez minutos volvidos lá estava de novo Hulk a fazer o golo. Após passe de Helton, aproveita erro do adversário e isola-se e frente ao guarda-redes não perdoou e fez o 24º golo da época!! Até final tempo para Helton brilhar por duas vezes, tempo para criarmos mais uma mão cheia de oportunidades e tempo para Fucile repetir asneiras... este ano já cometeu uns 3 penaltis...


Boa vitória, legal e sem espinhas, que nos permitiu dilatar a margem para 11 pontos, por umas horas. Isto porque os "vermelhos" conseguiram vencer em Coimbra com um golo em fora de jogo e com a mão! Nunca antes visto...

Agora venha o duplo confronto com o Beira-Mar, primeiro para a Taça da Liga e depois para o Campeonato. São jogos para vencer, essencialmente o segundo...

4 comentários:

  1. Jogo em que o FC Porto evidenciou as dificuldades habituais para ultrapassar a bem organizada defensiva do Naval. Primeira parte de domínio quase territorial, com algumas boas oportunidades para marcar (a de Varela não se pode falhar!) e com dois excelentes golos em apenas um minuto, aproveitando falhas do adversário.

    Segunda parte com mais algumas oportunidades não aproveitadas e mais um golo de nova falha clamorosa do defesa figueirense. Depois foi deixar passar o tempo, dar alguma iniciativa ofensiva ao adversário e oferecer-lhe um penálty.

    Apesar de tudo um jogo agradável com o segundo golo em jogada de sonho.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. CAMPEONATO ROUBADO 2010/2011

    Com o aproximar do final do campeonato onde tudo aponta para que o Benfica não renove o titulo de Campeão Nacional, oferece-me transcrever para todos os benfiquistas uma cronica brilhante escrita por Luís Fialho, publicado em 11MAR2011, no melhor jornal Nacional - " Jornal O Benfica".

    PARA NÃO ESQUECER

    "Na 1.ª jornada, Benfica-Académica, 1-2: quatro penáltis por assinalar a favor dos 'encarnados' (pontapé a Saviola, corte com a mão, empurrão a Saviola, e carga nas costas de Javi Garcia).
    Cinco cartões amarelo exibidos a uma equipa que atacou quase sempre.
    Três pontos subtraídos por C. Machado, logo na alvorada do Campeonato.

    Naval-FC Porto, 0-1: golo portista obtido perto do fim, na sequência de uma grande penalidade inexistente assinalada por Paulo Baptista (bola tocou involuntariamente na mão do defesa figueirense). Dois pontos acrescentados ao FC Porto.

    2.ª jornada, Nacional-Benfica, 2-1: dois penaltis por assinalar a favor do Benfica (rasteira sobre Coentrão, e corte com a mão de um defesa madeirense).
    Um dos golos do Nacional surge na sequência de um livre inexistente. P. Proença retirou mais três pontos aos 'encarnados', enchendo-os, também, de cartões amarelos (sete, só nesta partida).

    FC Porto-Beira Mar, 3-0: segundo golo portista obtido à beira do intervalo, na sequência de um livre mal assinalado por João Capela.

    3.ª jornada, Rio Ave-FC Porto, 0-2: primeiro golo irregular, com dupla carga de Falcao, primeiro sobre um defesa, e depois sobre o guarda-redes.
    Penálti inacreditavelmente perdoado por Jorge Sousa a Álvaro Pereira, em empurrão e rasteira a avançado vilacondense no interior da área.
    Três pontos oferecidos ao FC Porto.

    ResponderEliminar
  3. ate aqui a censura esta bem patente ...vergonha

    e por estas e por outras que este clube e diferente só pode ser na compra da fruta e dos apitos aliados dos azuis...

    ResponderEliminar
  4. Nota: No jogo com a Académica, acho que não foram 4 penaltis roubados a favor dos miseráveis, mas sim 9...

    Contra o Nacional ficaram 5 por assinalar e não dois.

    Que grande chatice...

    E viva a AZIA ;)

    ResponderEliminar